Modalidade - IPSC

IPSC

O que é IPSC?

 

O Tiro Prático como esporte se originou no sul da Califórnia no anos 50. Inicialmente, as provas eram uma mistura de desafios que envolviam sacar a arma rapidamente, vencer ou contornar obstáculos de modo a poder visualizar os alvos.

Em 1976 foi fundada a IPSC (International Practical Shooting Confederation) por representantes de nove países onde o esporte começava a se popularizar.

O Coronel Americano Jeff Cooper (falecido em 2006), que é considerado como o "pai" do esporte, eleito como primeiro presidente da IPSC. Neste evento, conhecido como "Conferência de Columbia", foi dado início a criação de um corpo administrativo e ao processo de padronização e divulgação das regras.

Hoje, a IPSC reúne mais de 60 países e são promovidas competições com mais de 900 participantes.

Os esportistas não fazem parte da IPSC individualmente, somente as "Regiões". O Brasil forma uma "Região" e possui um representante, o Diretor Regional. A CBPT (Confederação Brasileira de Tiro Prático) é a autoridade maior do esporte em nosso país. Os estados possuem Federações e finalmente temos os Clubes que congregam os esportistas e que promovem as competições.

Uma importante parte de nossa organização é o quadro de Arbitragem, formado por esportistas voluntários que fazem cursos para poder aplicar corretamente as regras e zelar pelo bom andamento e segurança das competições. A Arbitragem possui uma estrutura independente dentro da CBTP, a chamada NROI-Brasil que é dirigida por um membro indicado pelo presidente da CBTP.

O Tiro Prático tenta medir a habilidade do esportista em atirar com velocidade e precisão. Em resumo, uma competição de Tiro Prático possui os seguintes elementos:

Um conjunto de pistas de tiro, constituídas por um conjunto de alvos padrão colocados a diferentes distâncias e diversos posicionamentos.

Ao sinal de início, o competidor percorre a pista e engaja os diversos alvos à medida em que consegue visualizá-los, sempre acompanhado de perto por um árbitro que zela pela segurança e cumprimento das regras. Ao término, é marcado o tempo gasto e é efetuada a verificação e pontuação dos alvos. A pontuação da pista é obtida dividindo-se o total de pontos obtidos pelo tempo gasto. Ganha a prova quem obtiver o maior número de pontos.

O equilíbrio entre velocidade e precisão é o elemento que confere a dinâmica ao Tiro Prático. O esportista passa a ter como maior desafio superar suas próprias limitações em um constante e infindável processo de crescimento e aperfeiçoamento onde novas técnicas, equipamentos e força de vontade se fundem.

O IPSC é um esporte dinâmico e desafiador, que exige que o esportista execute suas habilidades de tiro com velocidade e precisão utilizando armas com potencia ajustadas ao regulamento. Além de o atleta ter que se movimentar muito, a distância e as configurações de cada pista são sempre diferentes.

As competições de IPSC são organizadas levando em consideração o Motto da prática: “Diligentia, Vis, Celeritas” (DVC), que significa “Precisão, Potencia e Velocidade”.

Hoje em dia, a International Practical Shooting Confederation (IPSC) organiza e regulamenta as provas de IPSC com a utilização de armas curtas (handgun), longas (shotgun) e rifle, que são promovidas em mais de noventa países, chamados de “Regiões”, da Argentina ao Zimbábue. Todos os anos os Diretores Regionais destas Regiões se reúnem para a Assembleia Geral da IPSC.

 

Divisões e Armas

Open:

A arma não tem limite de modificações . Os calibres normalmente utilizados são o 9×23 ou 38 super.

 

Standard:

a arma pode conter pequenas modificações, mas deve caber dentro de uma caixa com carregador inserido. Os calibres normalmente utilizados são o .40 S&W e o .45 ACP.

 

Production:

a arma deve ser original de fábrica sem alterações e possuir ação dupla para o primeiro disparo. Os calibres mais usados são o 9×19 mm e o 38 Super Auto.

 

Revolver Standard:

a arma é um revólver standard original de fábrica com cilindros de 6 tiros no máximo e cano de até 150mm - calibres normalmente usados: .38 SPL ou .45 ACP

 

Classic:

Recém criada e ainda em fase de teste, é disputada com uma Pistola monofilar 1911, com poucas modificações aceitas.

 

Temos ainda no Brasil, a divisão:

 

Pistola Light:

A arma é uma standard de calibre 380 ACP e segue as mesmas regras da Standard.

 

Categorias:

  • Overall : Categoria geral. 
  • Junior: Categoria até 21 anos. 
  • Sênior: Categoria com mais de 50 anos.
  • Super Sênior: Categoria com mais de 60 anos.
  • Damas: Categoria para as mulheres

 Classes:

  • Grand Master: 95% até 100%
  • Master: 85% até 94,99%
  • A: 75% a 84,99%
  • B: 60% ate 74,99%
  • C: até 59,99%

 

Fontes: htto://www.cbtp.com.br

http://fpbtp.com.br/

IPSC